Disposição! A chave para Grandes Resultados!

Os quatro princípios do sucesso duradouro.
21 de abril de 2017
O que você PRECISA saber sobre a DeSTDA!
26 de abril de 2017

O início do construtivismo está na disposição. Esse estado de ser nos guia para o sucesso e nos mantém lá. É agradável estar ao lado de uma pessoa com disposição a maior parte do tempo. São pessoas construtivas, animadas e parece que nada as faz desviar do foco delas, persistindo até alcançarem os resultados.

Esse é o estado de consciência dos empresários de sucesso. Aqui se inicia o construtivismo, o foco em realizar por si e pelo bem maior. As metas de médio e longo prazo prevalecem sobre o atendimento exacerbado dos prazeres de curto prazo. Entende-se que o crescimento é formado por disciplina, harmonia e perseverança. O foco da pessoa disposta está em gozar da jornada e não a fixação por alcançar o destino. Sua filosofia é dar o seu melhor todos os dias e fazer um trabalho de excelência, permitindo-se errar, falhar e aprender com seus deslizes sem ser negligente.

Pessoas dispostas estão a maior parte do tempo empregadas ou construindo seu próprio negócio. Apenas 7% das pessoas deste nível de consciência ficam desempregadas e somente 1% delas são pobres. Elas não têm frescura de começar de baixo, de fazer trabalhos que a vaidade da grande maioria acharia indigno e mesmo que em cargos de liderança, quando falta mão de obra para trabalhos simples, como limpar o banheiro, pintar uma parede, fazer um café, eles são os primeiros a tomar a iniciativa e ainda inspiram os outros a ajudarem.

Grandes figuras empresariais as quais admiramos, assim como esportistas de sucesso, estão ou passaram por este nível de consciência no início de suas carreiras: Steve Jobs, Bill Gates, Walt Disney, Abílio Diniz, Sílvio Santos, Samuel Klein, Luíza Helena Trajano, Flávio Augusto, Ayrton Senna, Usain Bolt, Michael Phelps, Pelé, entre tantos outros.

O mais interessante é que todos eles começaram suas carreiras “do nada”. Eles acreditaram no potencial de suas ideias e de si mesmos, caíram inúmeras vezes, mas se levantaram em todas elas e seguiram em frente. Alguns passaram por momentos de desespero, miséria, depressão, opressão, traição, mas nada os segurou de fazer aquilo que eles sentiram ser o correto a se fazer. São verdadeiros heróis que não se abalam com qualquer eventualidade externa.

O que nos impede de estarmos sempre dispostos

Os principais fatores que nos atrapalham para nos conectarmos com esse estado de consciência são:

Medo

A insegurança de perder o controle da situação, de falhar nos afazeres, de sair da zona de conforto, de ter que lidar com situações adversas ou incômodas, de alcançar o poder e não saber o que fazer com ele, de frustrar as pessoas ao seu redor, de se frustrar, de delegar tarefas para outras pessoas.

Vaidade

De achar que deve apenas fazer seu trabalho, de acreditar que está certo de tudo, de buscar apenas ganhos para si mesmo, de enxergar a vida como um campo de batalha onde para um ganhar outro tem que perder, de provar para os outros que está certo, de achar que só você faz um bom trabalho.

Apatia

Indisposição para fazer o que é necessário, procrastinação de tarefas que visa como desagradável, preguiça de lidar com situações desconfortáveis ou começar projetos longos que irão dar trabalho.

Desejo

Ansiedade de alcançar as coisas rápido, ausência de perseverança e tolerância, sede por querer mais, não saber compartilhar os méritos, ganância e cobiça.

Culpa

Paralisar ou se irritar diante de adversidades, se iludir que tudo o que acontece de ruim tem um culpado, se ausentar das responsabilidades, resistir à realidade como ela se manifesta e acreditar que podia ter sido diferente, agarrar-se no estado de incompetência e acreditar que os erros o fadaram a não conseguir mais seguir em frente, acreditar que a culpa do seu insucesso está lá fora.

Esses cinco sentimentos principais, nos mantém em um ciclo de escassez contínua e nos impede de visitar a abundância em qualquer área de nossas vidas, tornando-nos charretes desgovernadas que irão para o sentido que as condições externas nos jogarem. Quando começamos a diminuir aos poucos, um passo de cada vez, a influência dessas emoções internas e assumimos nossa responsabilidade por todas as situações que atraímos e pelo potencial que podemos despertar em nós, passamos a tomar as rédeas de nossa vida e nos guiar para onde queremos chegar.

Como nos tornarmos mais dispostos

Para invocarmos a disposição que existe latente dentro de cada um de nós, é necessário primeiro querer verdadeiramente. Quando somos sinceros com nós mesmos, paramos de dar a desculpa de que não podemos ou não conseguimos e passamos para um estado de “eu consigo”, “eu posso”, “eu faço”. Disposição uma determinação interna de iniciar e seguir a jornada até que se chegue ao resultado ou tenha-se o vislumbre de algo melhor ou maior daquilo que tinha sido almejado no início.

Para despertarmos cada vez mais esse estado interno dentro de nós, algumas práticas podem ser realizadas em nosso dia a dia:

Físico

Buscar fazer algum exercício que goste rotineiramente, acordar mais cedo ou até mesmo cortar ou reduzir algum dos tipos de alimentos que desarmonizam nosso organismo como industrializados, carnes, queijo ou açúcar/adoçante.

Prazeres

Aproveitar os momentos de lazer sem se preocupar com o que está acontecendo fora do aqui e agora, fazer um controle financeiro e cortar os excessos, buscar criar um gosto pelo que se está fazendo e não só pelo resultado a ser obtido.

Atividades

Equilibrar suas tarefas com momentos de descanso e regeneração, não se sobrecarregar, diminuir a vontade de controlar as pessoas ao seu redor e aprender a delegar funções, fazer planejamentos de médio e longo prazo.

Social

A vontade para contribuir e colaborar deve ser colocada em primeiro plano, assim como os aspectos de harmonia, acordo, tolerância e paciência com o próximo. Gerar empatia com as pessoas e entender seus contextos de vida pode ajudar bastante.

Expressão

Falar somente a verdade, ser sensível e bondoso com as palavras, evitar palavrões e palavras que podem ferir os valores de alguém, diminuir os preconceitos e buscar o aperfeiçoamento na sua forma de se comunicar e expressar suas opiniões para que o outro entenda e não se ofenda.

Compreensão

Diminuir seus julgamentos mentais sobre os outros, refletir antes de agir, diminuir os apegos a suas opiniões, deixar de acreditar que você sempre está certo, analisar mais os dados.

Manter uma intenção firme em mente sem se apegar ao resultado, acreditar em si mesmo, entender que as conquistas não são mérito exclusivo seu, pois sem o contexto nada teria sido possível e observar as emoções negativas que vierem para te colocar para baixo e atravessá-las no meio, com disposição e alegria.

Pode parecer muita coisa, mas cada um desses itens é possível ser alcançado, basta querer de verdade e perseverar. O importante para agora é você observar qual dessas sete áreas está mais desequilibrada nesses aspectos e escolher uma das orientações e aplicar na prática como um autodesafio.

Gratidão e boas práticas

Fonte: http://www.rhportal.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Send this to friend